Esta é mais uma publicação da ACADEMIA POÉTICA BRASILEIRA/Assessoria de Imprensa

MHARIO LINCOLN é Presidente da Academia Poética Brasileira. / Informações para esta coluna: mhariolincolnfs@gmail.com CURITIBA-PARANÁ-BRASIL. Jornalista Profissional/Sindicalizado

FACE: https://https://www.facebook.com/MharioLincolnFS - www.twitter.com/mhariolincoln

(*) Mhario Lincoln

Nunca esqueci a primeira frase que li num dos pensamentos do Xamã Gideon dos Lakotas. Nessa reflexão, ele disse: "A diferença entre o culto e o sábio, é que o culto tem conhecimento das coisas, mas o sábio o praticou. É infeliz o ignorante que recusa ser aluno. O culto que recusa ser professor. E o professor que recusa a praticar o que ensina."

Pois bem. Quando comecei a folhear o livro primeiro de Vera de Itajaí, veio-me a máxima de Gedeon dos Lokotas em minha cabeça. Cada verso que lia no livro "Senhora Secreta", nome de um poema que a autora fez com zelo e amor à sua mãe, conseguia vislumbrar uma Vera culta e sábia, isto é, aquela que sabe onde coloca cada palavra, porque nesses versos estão muito de suas experiências vivenciadas ao longo de sua existência neste Planeta.

Minha admiração pela autora cresceu quando, de microfone em punho, confessou ser aquele seu primeiro trabalho literário e agradeceu a algumas pessoas presentes por ter-lhe "ajudado a construir esse sonho". Aí a verdade! Como Gedeon disse: "É infeliz o ignorante que recusa ser aluno." E Vera não se recusou a receber ajuda daqueles que mais experiência tinham no emaranhado mundo dos lançamentos literários.

Duas dessas pessoas citadas por ela, eu conheço muito bem: Vera Albuquerque (sua editora) e Jul Leardini - a quem a autora atribuiu ter aprendido muitas coisas em seus cursos ministrados no Solar do Rosário. E isso encheu de energia o ambiente haja vista a beleza da simplicidade de Vera Itajaí, diante de seu público, que a aplaudiu efusivamente. E falando em energia, a terapeuta Holística Nathalia Pandava, por sua vez, afirma que "...na terra, no plano físico, somos todos manifestação de energia. A energia do Grande Espírito, manifestada através de Gaia e em Gaia, a mãe-terra. Somos seres espirituais e terrenos. Poderosos!.."

Essa foi a energia que Vera Itajaí passou e a grande plateia absorveu. A energia positiva de seu carisma; mas não prepotente, pelo contrário, um carisma sadio, envolvente, humanizado, como humanas são suas ideias, de quem é sábia e culta. Tanto que me emocionei quando li:

............................................................

"há alguém aí....de vez em quando?

vejo alguém que fala, em mim

fala por mim - fala de mim

quem sou eu? será que sou eu?

sabes quem sou? eu? (...)"

...........................................................

Confesso que eu não sabia quem era, pessoalmente. Mas agora, sei muito de sua obra, de sua personalidade, de sua franqueza, de seu ritmo poético, embalado com coisas deste Planeta e fora dele. Aprendi em seu livro a conhecer algumas de suas ilusões e    "... quantas ilusões carreguei/ no útero da minha juventude/ alma partida no ventre/ pari ilusões - signo rebelde/ não foi ao acaso...".

A leitura de seu livro me agradou muito pela forma não contextual das colocações da alma. Se contextual fossem, pareceria algo ocluso. Mas em seus versos não vi isso. Notei espontaneidade incrível, como que se as palavras soltas fossem-lhe regando as pontas dos dedos e inundando o cálice da criação, igual um pequeno chafariz holístico.

Tudo isso, resumidamente em uma grande frase sua: "... a minha alma habita o meu corpo, eu moro na periferia das circunstâncias..." Parece simples. Mas é de uma profundidade indubitável.

Um peça de literatura contemporânea amável. Aliás, como a autora conseguiu evaporar-se das coisas iguais ao classificar o seu amor:

..................................................................

"... felicidade é uma palavra...

amar é entranhas... a dentro

amar é entranhar-se por... dentro

amar é ter-te por dento

amar é nas entranhas... de dentro

amor é sentimento que habita... dentro."

.....................................................................

Incrível essa forma de Vera Itajaí ver e senti o Amor. Até aqui, diferente de tudo e de tudo que havia lido em tempos antanho, sobre o amor.

Daí, resumir-se assim: Vera Itajaí conseguiu indumentar-se de sabedoria e cultura ao mesmo tempo. É aluna e professora ao mesmo tempo. É reconhecida a quem lhe faz o bem - infinita gratidão - e, especialmente, consegue escrever livre das concepções tecnocratas da nova literatura, trazendo para o leitor uma nova e belíssima forma de espargir sentimentos, sem apelos dramáticos dos neologismos e invencionices gramaticais.

Eis um livro maravilhoso. Um livro para reflexão para quem sabe ler com a alma. Eis um livro que marca o primeiro passo de uma brilhante trajetória de Vera Itajaí. E como Buda, nosso estimado Buda, Siddhartha Gautama, o iluminado, disse: "Felicidade nunca diminui ao ser compartilhada.". E Vera Itajaí nos fez muito feliz nesse 24 de abril de 2017, quando lançou seu SENHORA SECRETA.

Sejamos então, 'bons companheiros de viagem, caminhando sempre na beleza...'.

Mhario Lincoln

Presidente da Academia Poética Brasileira

Curitiba, 24 de Abril de 2017

Quando a alma brota poemas, contos e reflexões místicas

A alegria de encontrar pessoas amáveis, num ambiente amável: MARCIA DALCIN, ELISABETH SEKULIC, ML E VERA ITAJAÍ, MARCIA ARACHESKI, MARIA ELENA TOIGO, FRANCISCO BORGES e MATEUS TOIGO. 

Área de eventos da 'Livrarias Curitiba', no Shopping Barigui lotada para assistir ao lançamento do livro SENHORA SECRETA, de Vera Itajaí.

Fotos excluivas: KAWAE KURODA

ML entregando um CD seu, com músicas instrumentais, para embalar as novas criações poéticas de Vera Itajaí. (Presenças importantes no evento: Curadora Kátia Velo e a graciosa Lena Vieira). Abaixo, Vera Itajaí, seu esposo, com convidados.

Vera Albuquerque (E) é a editora do livro SENHORA SECRETA. Também recebeu de Cirlei Gonçalves, artista-plástica, ao seu lado, os parabéns pela confecção do livro que traz os selos da Bolsa Internacional do Livro e da Catalina Edições.